terça-feira, julho 07, 2009

«O triunfo da imbecilidade»

In Público de 07/07/2009
06.07.2009 - 22:10 Manuel Carvalho

«Ao ver a transmissão em directo da chegada de Ronaldo ao estádio do Real Madrid pudemos aprofundar o receio de que as sociedades avançadas estão empenhadamente a caminho da imbecilização. A veneração dos ídolos criada pelo marketing e pela devoção futebolística justifica tudo, até honras de directos que os revelam à saída do hotel, os mostram na simples qualidade de passageiros de um automóvel descapotável, os transformam em Deuses do novo Olimpo dos tempos modernos que são os estádios de futebol.

O dia de hoje é um manifesto da capacidade do Real Madrid em vender a sua imagem ao mundo, mas é também a prova de acefalia das televisões que vêem nesse negócio uma forma de lucrarem à custa da alarve disponibilidade das multidões para perderem minutos, horas, das suas vidas a seguir de perto qualquer banalidade quotidiana da vida de um ídolo.

Já ninguém pensa em remunerar com fama os cientistas, ou os músicos, até num país, como o nosso, que tem entre as suas poucas glórias o facto de eleger um poeta como símbolo do seu dia nacional. A vida não se faz apenas de altos desígnios, da grandeza da ciência ou da genialidade das artes. A vida faz-se também com paixões prosaicas como as que os grandes dribles ou remates de Ronaldo proporcionam. Mas uma coisa é exaltá-lo no seu palco, no relvado onde exprime o seu talento. Outra é pegar nesse talento para o transformar numa espécie de Deus vivo cujos gestos mais ínfimos têm de merecer a nossa atenção.

O que hoje se viu na multiplicação de directos de Ronaldo é o aproveitamento de um génio para chegar a uma criação artificial que rende audiências e, por causalidade, dinheiro. Muito dinheiro. Nada disto seria censurável se o peso do exagero não convertesse o desfile num episódio que suscita asco e lamento.

Ronaldo não tem culpa, nem o Real Madrid, ou, com alguma complacência, as televisões. Quem tem, afinal, culpa é a cultura dominante que cada vez mais relativiza o essencial e se deleita com a imbecilidade. Oitenta mil em Madrid para ver Ronaldo no Santiago Bernabéu e mais uns milhões a seguir pela TV o seu percurso até à sacralização? Pobre Espanha, pobres de nós.»

quinta-feira, julho 02, 2009

Advogados em Patrocínio Oficioso




Caros(as) Colegas,

Este espaço tem como objectivo criar um local onde todos aqueles que exercem o patrocinio oficioso possam expor as suas ideias, objectivos e vontades.

Pretende preencher uma lacuna que muitos têm vindo a sentir no que toca às questões especificas de quem além de exercer advocacia, também exerce o Patrocinio Oficioso.

Portanto estão todos à vontade para dizerem o que pensam!

Sejam todos bem-vindos!

terça-feira, junho 16, 2009

A Justiça de outros tempos...




Um excelente livro trazido pela "Fronteira do Caos" relata-nos o último duelo judicial autorizado pelo Parlamento de Paris. Extremamente viciante, de fácil leitura e, acima de tudo, uma cuidadosa investigação sobre o assunto deixou-me em suspense até ao fim... A não perder para os amantes da História e do Direito...

sábado, dezembro 01, 2007

As eleições da O.A.: um comentário

Caros Colegas,

Utilizando as reprováveis e infelizes palavras de um famoso comentador televisivo, no passado domingo na RTP1 (25/11/2007), ganharam os “descamisados” e agora 7265 advogados deveram ser considerados “perigosos” utilizando, mais uma vez, a palavra proferida por aquele Professor de Direito, para definir o actual Bastonário da O.A.

Mas o que lá vai, já vai! A campanha eleitoral já acabou!!!

Esperemos que o candidato vencedor cumpra os seus compromissos e os restantes órgãos da Ordem colaborem nessa tarefa. Em especial esperamos que o novo Bastonário acabe com a “advocacia de supermercado” corporizada pelas lojas jurídicas e minimize o sofrimento do “proletariado” desprotegido da advocacia. Agora, aguardamos pela dignificação da profissão de Advogado e que o novo Bastonário seja uma voz viva e interveniente na defesa dos interesses de TODOS os advogados.

O futuro está em aberto!

Saudações cordiais,

Ricardo Rodrigues

sábado, maio 12, 2007